3 de set de 2015

Sobrevivente da ilusão

 
Sou um cidadão nordestino
Larguei o meu sertão
Na ilusão de trabalhar
E ganhar algum tostão.

Longe da minha família
A saudade me corrói
O que fazer com essa tristeza
Que aos poucos me destrói?

Aqui na grande metrópole
Sou vitima do preconceito
Julgam-me pelo meu sotaque
Sem um mínimo de respeito.

Em poesias conto fatos
Desse povo tão sofrido
Mesmo assim eu me orgulho
Do meu velho sertão querido.


19 de jul de 2015

Da janela do meu quarto...


Imagem Do Google
Da janela do meu quarto
Observo a chuva 
  gotas suaves e cristalinas
 escorrem sobre o  meu telhado.

Saio pelas ruas escuras
Na vidraça dos carros 
O cinza da nevoa
Impede que eu veja 
Minha face umedecida.

Meu casaco de tão velho
Já não impedi o frio.
Volto para o meu quarto, delineio versos triste
Que um serão apenas rabiscos mal escritos 
Esquecidos no meu velho baú empoeirado.



14 de jun de 2015

A Solidão De Um Poeta


Imagem Do Google
O Velho poeta
Hoje chora seu abandono
Tragado pela velhice
Morre um pouco a cada dia.

 A idade não perdoa
 E hoje ele é tratado
Como um velho móvel
Descartado.

Um dia na juventude
A todos ele encantou
Com poemas e poesias
Inspiração não lhe faltava.
Hoje vive na solidão
Sua pela já demarcada
Pelas linhas da idade.

Triste sina de um poeta
Que em versos contou historias
Hoje todas engavetadas
Lembrar o passado lhe causa dor
Pois Deus também já levou
O que foi o seu único amor.

-Sempre fui um poeta triste
Mas pelo menos antes eu tinha
Meu amor de companhia
Ela sim me entendia,
E com ela também se foi
Inspiração da minha vida

-Até os meus olhos, a idade escureceu
Logo eu, que tanto pedir a Deus
Que sem eles eu não viveria.
Como posso viver assim?
Remoendo essa dor!
Se tudo que eu sabia
 Era escrever poesias.



Nossa Doce Solidão

Imagem do Google
Lagrimas quente caem 
sobre o meu rosto
Fere a minha carne.
São Lagrimas do meu silencio
Por que tiveste tu que me deixar?

Nossas almas buscam um mesmo rumo
Mas estamos presos a um mesmo destino,
Nossa doce solidão.


Suas noites são como as minhas...
Repulsivas e solitárias!.

Hoje soa triste a nossa canção...
Devora-me a alma saber que estarei condenada
A essas  grades imaginarias que me impede de  te tocar.
Só queria reescrever a nossa vida,
Só queria mudar os versos da nossa poesia.


20 de mai de 2015

Doce Maria

                                   
                                                                Imagem: Vicente Romero

                                                          Oh linda Maria!
                                                          Flor que encanta
                                                          Essência que fascina.
                                                          Cabelo ondulado,
                                                          Parece até cascata.

                                                          Maria,retrato de um machismo 
                                                          Que ficou no passado.
                                                          Subserviente ao marido
                                                          Sua beleza  era camuflada 
                                                          Por trás do avental.

                                                          E sua casinha?
                                                          Oh, que simples casinha!
                                                          Telhado de palha,
                                                          Paredes de barro!
                                                          Levanta sempre cedinho,
                                                          E vai para cozinha,
                                                          Preparar o café para sua família.

                                                         No seu fogão de lenha 
                                                         E panela de barro
                                                         Ela rala a barriga,
                                                         Sucumbindo à beleza 
                                                         Que ainda lhe resta!

                                                         Oh serena Maria!
                                                         Nem reclamas da vida, 
                                                         E com o esposo que tem?
                                                         Por que és assim
                                                         Oh linda Maria?

                                                         Ricardo, malandro e ingrato
                                                         Vive no boteco tomando cachaça
                                                         E olhando as mulheres 
                                                         Que passa de mini saia
                                                         Com pernas de fora.
                                                         E ainda por cima...
                                                         Reclama de tudo!

                                                        Guerreira Maria, m
ãos cheias de calo
                                                        Deve ser resultado da labuta diária. 
                                                        A noite ela deita e mesmo cansada
                                                        Agradece a Deus pelo milagre da vida.
                                                        Oh, quão doce és tu Maria!



12 de mai de 2015

A menina Do Vilarejo


Imagem Do Google

Em um pequeno vilarejo vivia uma linda jovem.( Lucy)era seu nome.
Ela morava com seus pais e um irmão mais novo, que teria nascido logo após seus pais mudarem pra lá.
Lucy amava a natureza, se encantava sempre com a revoada de pombos que faziam festa todas as manhãs no seu jardim, era como se contemplassem a beleza daquela linda moça!

Seus pais viviam da agricultura e da pesca, assim como todos os outros moradores do vilarejo.
Sabe-se que antes deles mudarem para lá, já havia rumores que aquele povoado teria sido amaldiçoado por uma antiga moradora.

Dizem que ela teve sua filha morta misteriosamente, e que seu corpo teria sido encontrado na beira do rio depois de dias de buscas.
Nunca ninguém conseguiu saber quem teria feito aquilo com aquela pobre moça!
E, por isso sua família teria ido embora, e sua mãe assim jogado uma praga!
Acreditando ou não, coisas estranhas aconteciam por lá.

Perto dali havia uma escola de alfabetização, a única do povoado!
Que teria sido construída apenas com recursos e a boa vontade do professor Bento.
O professor bento era um senhor alto e loiro.Muito querido por todos.
Se não fosse a coragem dele de abandonar a cidade grande e se mudar para aquele pequeno povoado...

O que seria daqueles jovens sem terem ao menos o direito de se alfabetizarem?
Não se sabia quase nada do professor Bento.
Sabia-se apenas que ele teria sido o pioneiro ali naquele pequeno vilarejo.
Não tinha esposa e nem filhos, morava sozinho, e, todos sentiam dó dele.
.
Mas, ao ser questionado o porquê que ele teria escolhido aquela vida de solidão...
Ele se fechava no seu mundo. 
Era nítido que o professor Bento não gostava de falar do seu passado.
Assim sendo... Todos que o questionava...Ficava sem respostas!

Numa manhã de setembro o sol forte, Lucy vai ao riacho que passa perto da sua casa se banhar como de costume.
O calor está insuportável!
Ela se despede de sua mãe com um beijo carinhoso, e fala que logo retornará.

Ao chegar ao riacho, Lucy tira suas pequenas peças de roupa uma por uma. 
Finalmente aquela linda moça fica como veio ao mundo.
Lucy se banha como se voltasse a ser criança, joga aquela água limpa e cristalina sobre sua cabeça.
Mas, logo Lucy se assusta com um barulho diferente vindo das folhas secas.

Alguém a observa...Mas quem? 
Afinal ela ia todos os dias aquele riacho, será que em outros dias também alguém já a observava?
Ela já tremula de medo corre para pegar suas vestes que estavam jogadas na beira do riacho.

Mas,Lucy não teve tempo de pegar suas pequenas vestes, alguém de mãos fortes lhe toma pelo braço, e, com suas próprias veste ele tampa os seus olhos e a sua boca.
Pobre Lucy! Ela se debate, sabe apenas que não terá chances.
Ela percebe que não conseguirá sair daquela.

E Lucy assim como a outra moça... Não conseguiu!

Uma triste busca se inicia naquele pequeno vilarejo!
Após cinco angustiantes dias, o corpo da linda moça é encontrado sobre uma rocha.
O desespero dos seus pais é muito grande!

Amigos vêem lhes prestar solidariedade, menos o professor Bento que manda dizer que sente muito!
E que está muito triste pelo acontecido, mas, encontra-se enfermo e sem forças para visitar a família da Lucy!
Até hoje sua mãe chora a dor da perda de sua filha!
Mas continuou morando no vilarejo.

Todos os dias ela vai aquele riacho em busca de respostas.
Quem teria feito àquela maldade com a sua filha?
O professor?

Um mês depois da morte da Lucy ele foi encontrado morto na sua casa.
O medico atestou pneumonia, causada pela baixa imunidade.
O professor teria ficado doente logo após a morte da Lucy.

O professor já não se alimentava mais!
E o corpo não suportou a fraqueza da alma!
Todos questionavam a morte do professor!

Teria ele morrido de amor!

Ou de remorsos?.



27 de nov de 2014

Insidiosa melancolia

Imagem da net
Com meus sentimentos inconstantes
Caminho por ruas escuras e vazias,
A cabeça cheia  de medos e incertezas.

A densa nevoe rompe minha pele,
Gela a alma.
Esse silêncio que me atormenta.

Como uma velha locomotiva
Que caminha solitária sobre
Trilhos enferrujados...
Sigo eu!
,       Com minha insidiosa melancolia.   


31 de mar de 2014

A ultima poesia


Imagem do Google
***
Era a sua ultima poesia,
Uma triste despedida.
As suas ultimas letras tornavam-se
Quase inelegíveis diante de suas lagrimas.

Sobre a melodia de um piano triste
Ele escrevia suas ultimas estrofes.
Era a despedida de um poeta.

Em cada canto do seu quarto
Arquivos tumultuados
Lembranças de toda uma vida.
Taças de vinho
Espalhadas pelo chão.
Sobre o seu velho cinzeiro
As cinzas de cada trago.

As lembranças davam lugar
A um imenso silêncio
É triste ver que seus escritos
Hoje são apenas arquivos
Em papeis mofados.
Ele que já não quer mais chorar
Escrevendo versos tristes.
Sobre a sua já tão surrada rede,
O descanso de um poeta.

-Não te assustes de mim,
Um dia eu também fui feliz!
É apenas um desabafo,
Que leva em cada letra,
Uma triste gota de lagrima.
Foi assim que escrevi,
A minha ultima poesia.

 ****


15 de fev de 2014

Aprendi tanto...


Imagem da net 
Aqui foi sempre meu refúgio.
Aqui eu aprendi muito com todo mundo.
Sorri,chorei, desabafei!

Em algumas vezes até fiquei brava!
Mas, logo depois esquecia. 
Tudo valeu apena!hoje sou outra pessoa!
Há três anos criei esse cantinho, queria só ter um lugarzinho só meu
Pra chorar minhas magoas.

O tempo passou, eu acabei conhecendo pessoas que como eu, também.
Buscava seu espaço, a blogosfera tem uma proporção muito grande.

União?
Claro que existe, respeito acima de tudo, o lema da blogosfera é,
"gentileza gera gentileza" procurei sempre seguir a risca.
Se consegui... Não sei!

Discórdia?
Existe sim... Deve existir!

Nunca durante esses três anos de blogosfera eu recebi um comentário
Maldoso, ou com falta de respeito, sempre recebi palavras de apoio e incentivos, deve ser por isso que ainda continuei por aqui.

Hoje acredito num amor diferente, independentemente dos obstáculos impostos pela vida, e, na minha vida...
Vai existir sempre um vazio, uma infinita solidão.
 E apenas uma certeza, nada vai mudar.

Mas, pelo menos acabei até aprendendo um pouco sobre, o amor de poesias rs.



O poeta que me inspira? Foi, é, e sempre será... ”O poeta que me inspira”


Tudo valeu apena <3 



17 de jan de 2014

O velho poeta...

                 Imagem da internet         
O velho poeta
Hoje caminha sozinho!
Perece a solidão das noites frias.


Suas mãos trêmulas,
Seus olhos já enevoados.
Traído pelo destino,
Ele disfarça a sua dor.

Em seus arquivos...
Apenas traços rabiscados

Versos incompletos
Lembranças da sua musa

Que ficou lá no passado.


Cabisbaixo sobre sua velha escrivaninha

Ele chora a solidão, que aos poucos,

Consome a alma de um poeta,

Que um dia tanto sonhou...
Com um amor de poesia.

      ***

     

Arquivo do blog

jf.maps

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...